Elaboração de Projetos Culturais


Na primeira quarta-feira do mês, 04, participei do curso de Elaboração de Projetos Culturais com a Profª Drª Isaria Maria Garcia de Oliveira oferecido pela SisEB (Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São Paulo) na Biblioteca Pública Municipal de Jundiaí Profº Nelson Foot, com carga horária total de 6 horas.

Apesar do curso ser destinado à profissionais de bibliotecas, salas de leitura e programas de incentivo à leitura, o tema de elaboração de projetos culturais foi abordado como um todo, não somente com sua ênfase em bibliotecas. Do conceito às etapas de um projeto cultural, planejamento e elaboração, passando pelo título, justificativa, objetivos, metas, cronogramas, orçamentos e resultados; indicação das possíveis fontes de captação de recursos e patrocínios, bem como os fatores valorizados pelas empresas que patrocinam projetos; e fundamentos de marketing.

Exibição, circulação, difusão e distribuição cultural: oferecer, facilitar e qualificar a fruição artística pelo público beneficiado.

Um dos motivos de eu ter me inscrito foi por ter me identificado com o perfil da ministrante, visto que tem formação em Comunicação Social e doutorado em Artes, atua como professora na área de Gestão Cultural e Mídias Digitais, além de produzir espetáculos de dança e festivais de música, com publicações sobre produção cultural e hospitalidade, dentre outros. Dei início à produção de projetos em 2015, com o projeto audiovisual independente Vídeo & Dança e os pequenos eventos na área da Dança Tribal. Neste ano, fui convidada a integrar uma equipe de produção de eventos de médio porte, então o curso me foi bastante oportuno.
Práticas culturais tem por objetivo promover a sensibilização através do fazer artístico.

Muito do conteúdo citado eu aprendi na prática, mas teve algumas coisas que eu não sabia e com certeza farão diferença em projetos futuros. Identificar uma demanda ou oportunidade; definir um cronograma da data do evento aos dias atuais; realizar um diagnóstico para avaliar a probabilidade do evento - relevância social, acessibilidade, antecedentes; definir uma sazonalidade; buscar parcerias, apoiadores, patrocinadores, publicar chamamentos; definir uma meta; investir na capacitação dos mediadores; promover integrações artísticas e culturais; definir um orçamento com base em custos fixos e variáveis; fazer uma avaliação de desempenho posterior - mensurar os resultados através de pesquisa quantitativa e qualitativa.

Já assisti uma palestra sobre captação de recursos para projetos culturais com uma ex-aluna convidada do curso de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, visto que trabalhar com projetos é uma das diversas funções atribuídas ao profissional de comunicação numa empresa privada. Relembrar alguns fatores importantes sobre o assunto foi de extrema importância no curso de Elaboração de Projetos. Resumidamente, a captação de recursos através de leis de incentivos e editais, tais como a Lei Rouanet e o Proac, se dá em 2 passos:
  1. Inscrever o projeto nos programas de incentivo disponíveis e obter autorização para captação de recursos.
  2. Apresentar o projeto para pessoas físicas e jurídicas que possam financiar o projeto.
Considerando que as empresas podem financiar até 100% do valor do projeto com até 4% do imposto de renda. A captação de recursos também pode ser feita através de contribuintes individuais ou utilização de recursos próprios. Um projeto/evento bem feito só necessidade de investimento em seu lançamento, sempre almejando tornar-se autossustentável.

Para fechar o post, mais uma citação:
O projeto não pode ser pensado como fim em si mesmo, mas como um meio para alcançar algo maior.

Comentários

+ Lidas