Follow Me @bymelissaart

quinta-feira, dezembro 13, 2018

Meu calendário de viajante 2019 by O Verbo

dezembro 13, 2018 0 Comments

Nunca havia comprado um calendário de mesa antes, sempre ganhei de presente ou consegui através de ações promocionais de varejos e etc. Mas o calendário de viajando d'O Verbo realmente me conquistou, e vou listar os motivos aqui:
  1. É muito fofo <3
  2. Eu adoro coisinhas de papelaria e coisinhas artesanais, e este calendário une os dois!
  3. Eu amoo ilustrações aquareladas e frases inspiradoras e, adivinha? No calendário tem ^^
  4. Estou sempre olhando datas, de verdade. Seja no celular, no computador, na folhinha que deixo pendurada na cozinha, bem acessível. Então pensei que um calendário de mesa seria muito útil para quando eu estiver com urgência em conferir datas! Também tenho um calendário no meu planner, mas não é a mesma coisa.
  5. Já tenho várias metas para ticar em 2019, mas eu adoro viajar e muitas vezes abro mão das coisas para cair na estrada, por vezes só pelo prazer de respirar novos ares. O calendário do viajante, como o próprio nome diz, vai ser meu lembrete diário de sair do meu casulo!
Ele chegou assim, com um cartão escrito à mão e um brinde de natal. Já disse que amo receber coisinhas pelo correio?

Frase, ilustração e, não menos importante, o calendário ^^ São dois meses por página, e tem os feriados nacionais embaixo. Ah! As folhinhas são destacáveis e podem ser enquadradas como decoração <3
Já arrumei um lugarzinho para ele aqui na minha mesa, super combinou com os demais itens! hahaha
É isso! Que venha 2019!

segunda-feira, dezembro 03, 2018

BuzzFeed News e Netflix em “Seguindo os Fatos” e O Futuro dos Conteúdos Falsos

dezembro 03, 2018 0 Comments

Mais conhecido pelos conteúdos fúteis, como quizzes e testes, muitos desconhecem a seção de reportagens do site BuzzFeed, uma empresa de notícias norte-americana fundada em 2006 com o intuito de criar conteúdo viral para a internet, hoje reconhecida como a rede global líder de mídia independente digital. Os bastidores dessas produções são o tema da série documental Seguindo os Fatos” (“Follow This” no original, em inglês), lançada em 23 de agosto no catálogo do popular serviço de streaming Netflix, com 20 episódios de 15 minutos de duração cada, trazendo em foco diferentes jornalistas durante a apuração das reportagens, bem como verificação de dados, alternando entre pautas relevantes de política, cultura, tecnologia e comportamento, em meio a temas polêmicos e contraditórios.

Um episódio em especial, “O Futuro dos Conteúdos Falsos”, aborda como a equipe editorial do BuzzFeed News lida com as “fake news” - notícias falsas que se espalham rapidamente pelas redes sociais, comprometendo a visão popular dos fatos, um problema comum no jornalismo atual. No episódio, o repórter Charlie Warzel mostra como a tecnologia cada vez mais sofisticada pode confundir realidade e ficção, alimentando a desinformação, como descrito na chamada do vídeo. Para exemplificar, o jornalista utiliza softwares de manipulação digital que permitem alterar fotos, vídeos e áudios, e simula uma chamada telefônica para sua mãe.



Em resumo, ainda que com o crescimento das agências de fact checking pelo mundo, que realiza a checagem de informações das notícias publicadas, Charlie Warzel frisa a grande responsabilidade de mídias como o Google e o Facebook no combate e conscientização dos conteúdos falsos, e alerta para um futuro próximo e assustador.

Outros episódios trazem mais assuntos inusitados e polêmicos, como tendências curiosas da internet, o mercado dos influenciadores digitais, o movimento dos direitos masculinos, dilemas éticos da fertilização in vitro, a produção de robôs sexuais e o uso de drogas injetáveis. Em meio a esses assuntos, também temos conteúdos mais leves, como por exemplo, a literatura amish. Vale lembrar que a série tem classificação etária de 16 anos.

sexta-feira, novembro 30, 2018

Hipertexto

novembro 30, 2018 0 Comments

O termo não é incomum: citado pelos internautas como uma conexão entre um conteúdo e outro - podendo se referir desde a uma publicação em sites, redes sociais e impressos à arquivos de mídia como vídeos, fotos, ilustrações, áudios, sem necessariamente conter um "link" - o hipertexto mais do que nunca, faz parte da atual era da comunicação, em que tudo, de certa forma,e está relacionado.

É o chamado universo da "cibercultura", conceito abordado pelo pesquisador Piérre Levy desde o século passado. Em sua obra, "Tecnologia da Inteligência", o autor enumera as 6 principais características do hipertexto, que vai muito mais além do que uma simples "conexão". O princípio da exterioridade é um deles, onde, em resumo, diz que todas as ligações que fazemos ao relacionar um conteúdo a outro vem de influências externas, vivências pessoais, aprendizados. Cada informação nova que recebemos é armazenada em um lugar da nossa mente, e isso acontece a todo mundo quando "consumimos" conteúdo, através da cultura pop - filmes, músicas, eventos - bem como da leitura e estudo.

Como jornalistas, então produtores de conteúdo, temos uma responsabilidade ao criar essas conexões, multiplicando saberes, gerando empatia e, principalmente, aumentando a área de alcance do conteúdo produzido. Um texto multimídia bem feito pode levar o leitor a navegar e explorar o conteúdo de diversas maneiras, mas sempre retornando à fonte principal, sem se perder no caminho. Mais do que multi-janelas em tela bidimensional, permite criar diversos planos em nossa própria mente / imaginário, nos transportando para diferentes dimensões.

Esquadrão DogHero: Operação Final de Ano

novembro 30, 2018 0 Comments
Em dezembro vai completar 1 semestre que eu me cadastrei no DogHero, disponibilizando o espaço do meu apê para hospedar cachorrinhos. Já que por enquanto não tenho condições de adotar um, e também como estou trabalhando em casa, a ideia era receber esses peludinhos durante a semana para me fazer companhia. Mas logo vi que precisaria do apoio do meu marido para dar conta do serviço, afora que precisamos fazer alguns investimentos para adequar nosso apartamento para a vinda dos pets. Também ajustamos os pré-requisitos da hospedagem conforme nossas experiências anteriores. 

Posso dizer que oficializamos nosso compromisso com o aplicativo ao assistir uma série de palestras na tarde de ontem num evento promovido pela equipe DH para todos os herois. Saímos de lá com uma camiseta de brinde, um certificado simbólico e muito empolgados com as hospedagens que virão!


O evento teve início com uma apresentação do CEO, Eduardo Baer, falando um pouco sobre o início da empresa, projeções e as novidades que estão chegando no aplicativo. Em resumo, a DogHero teve início em 2014 e atualmente está presente em 3 países: Brasil, Argentina e México. Agora, além da hospedagem, também conecta os clientes com passeadores. O aplicativo traz uma página personalizada do heroi, com avaliações, agenda de hospedagens e a caixa de mensagens, onde fazemos o orçamento e validamos a hospedagem, agora também com a opção de fazer check-in.

Meu perfil de anfitriã <3

Antes de confirmar a hospedagem, nós fazemos um pré-encontro. Ou tentamos fazer. É o momento de conhecer o pet e conversar com os tutores para saber mais sobre o bichinho, ver como ele vai se sentir no ambiente em que ficará e como reage com a presença de pessoas estranhas e outros animais.

Meu primeiro pré-encontro foi com a Lili e seus tutores, uma shitzu muito fofinha, mas que deixou minha gatinha amedrontada. A hospedagem não se realizou e eu fiquei muuuito mal. Aí, em Junho, a tutora da Isa fez contato para passarmos uma noite com ela, já que o hotel onde estava hospedada recusou a pequena. A Isa é uma shitzu carioca e já idosa, super comportada e que adora passear. Depois da Isa vieram as irmãs de criação Grecca e Cacau, uma yorkshire e uma shitzu super brincalhonas, a tutora delas trouxe brinquedinhos, a casinha delas, tapetes higiênicos, comidinhas e petiscos, tudo certinho. O período de hospedagem todo foi uma festa.

Senhora Isa sendo observada pela Fury, minha gatinha
As irmãs Cacau e Grecca, sempre juntinhas
Em Outubro recebemos a Belinha, uma filhote SRD branquinha e cheirando a talco. Cheia de energia e com dificuldades de fazer xixi no lugar certo. A hospedagem dela coincidiu com um evento que tínhamos, e sua tutora autorizou levarmos ela conosco e foi um sucesso, a estrelinha da festa. Com a Belinha, surgiu o interesse de outros tutores de filhotes. Isso porque, por não serem castrados e não terem tomado todas as vacinas ainda, deixá-los em casas com outros cachorrinhos não é o ideal. Com isso, recebemos a Duda, uma pug pretinha que adora morder. Agora, no Natal, receberemos a Lola, uma filhotinha de spitz alemão, já estou ansiosa :)

Belinha descobrindo a natureza

Duda mordedora

O Juarez foi o primeiro e único shitzu macho não-castrado que recebemos. Apesar de ser um bebezão fofo, tivemos problemas para controlar sua necessidade de marcar territórios pela casa. Por fim, conversei com seu tutor que não seria mais possível recebê-lo, e infelizmente fiquei sem avaliação por isso (o que prejudica o status no app). O pior é que eu já havia agendado um pré-encontro com o Flok, de mesmo perfil, e precisei recusar a hospedagem. É claro que nenhum papai e mamãe gosta de receber uma recusa, seja qual o motivo, mas considerando que se trata de um serviço particular, precisamos nos precaver também para evitar dores de cabeça.

Tanto o Juarez quanto o Flok foram os únicos que mostraram sinais de agressividade, este último em pouco tempo de pré-encontro rosnou, latiu, marcou território. Talvez por ter se sentido acuado num ambiente estranho, mas eu não podia correr o risco de repetir a experiência que tivemos com o Juarez. Dócil na maior do tempo, exceto quando contrariado. O Juarez não gostou de ouvir não.

Juarez, 3 aninhos
Para falar sobre comportamento canino e como lidar com esses episódios, o Esquadrão DogHero recebeu o Alexandre Rossi como convidado. Infelizmente o tempo da palestra se mostrou muito curto para cobrir todos os assuntos que ele havia preparado para nós, e parte do tempo foi perdido com a intervenção das heroínas presentes, que queriam levantar questões sobre experiências pessoais. A segunda palestra, com uma veterinária e anfitriã, tratou da organização e higienização da casa, e, mesmo demonstrando experiência no que faz, recebeu pitacos do público sobre o uso de produtores de limpeza específicos (com amônia), por exemplo. A última palestra foi sobre primeiros-socorros, alimentação, calendário de vacinas, infecções e as necessidades especiais de cachorinhos deficientes e idosos, achei muito proveitosa, mesmo com, mais uma vez, a intervenção de outras veterinárias presentes no público que insistiam em falarem sobre suas visões sobre os assuntos abordados, prejudicando a dinâmica do evento.

O que seria o coffee break ficou para o final do evento, e valeu a pena esperar: formos surpreendidos com uma variedade de pães, geleias, salgados folheados, café e refrigerante. Também tiramos uma foto, ganhamos camisetas de brindes e um certificado simbólico, como já havia dito. O espaço escolhido para a realização do evento foi o Meu Quintal, em Perdizes-SP. Particularmente, achei que o espaço ficou um pouco tumultuado com 150 anfitriões presentes, e espero que melhorem a logística do próximo encontro - estaremos lá :)

Eu e meu, enfim, marido :)

quarta-feira, novembro 07, 2018

Neon: Conta Digital

novembro 07, 2018 0 Comments
Sem faturas, sem aquela chateação toda com agências, as contas digitais oferecem uma série de vantagens para quem é adepto de aplicativos de compras e pagamentos, bem como serviços de assinaturas.

Eu já utilizo serviços como o picpay e boleto bancário para gestão financeira, mas ainda estava sentindo falta de um cartão de crédito. Todavia, após fechar acordo de pagamento com meu banco atual, sem chances de ser aprovada para um cartão :/ Então resolvi tentar o digital.

Primeiro eu solicitei um da Nubank e, como esperava, não foi aprovado. Aguardei o prazo de seis meses para tentar novamente e nada. Aí recentemente soube da Neon, uma conta digital que pode ser movimentada pelo aplicativo, com cartão de débito físico, e a opção do cartão virtual para compras online na função crédito (mas que é debitado na hora). Também tem opções de investimentos, dentre outros benefícios.

Solicitei o meu e chegou muito rápido. Agora eu fiz o pedido de um de crédito internacional, que preciso muuito, torço que dê certo. Enquanto isso, aos poucos, vou atualizando minhas transações bancárias e assinaturas atuais... Spotify, Netflix, Uber, IFood, Datura, dentre tantos outros.

Visa o/
Que fofinho essa assinatura impressa ^^


Minha Calça Thai

novembro 07, 2018 0 Comments

A Calça Thai é uma loja online de calças tailandesas, lançada em 2015. As peças são desenhadas e produzidas à mão no norte da Tailândia e transportadas para o Brasil, dentre outros países. Com valores acessíveis e material de qualidade, alinhada com as tendências de moda sustentável, a empresa traz a prática de "comércio justo" como filosofia, garantindo que nenhum menor de 18 anos está envolvido na produção das peças, homens e mulheres tem igualdade no local de trabalho, além de promover a consciência ambiental e animal.




As comunidades do norte da Tailândia têm a tradição de usar calças largas há muito tempo. Resolvemos, então, reinventar este tipo de vestimenta e adaptá-la aos tempos atuais, mas respeitando as raízes históricas. Promovemos produtos modernos baseados em tradições tailandesas locais e produzimos localmente. Isto mantém as tradições vivas e proporciona uma renda às áreas rurais.


Atualmente com diversas coleções disponíveis, incluindo modelos masculinos e unissex, cortes envelope e pescador e plus size, as calças Thai são as favoritas de grávidas, praticantes de yoga e adeptos do ar livre, como eu. O modelo que eu escolhi foi uma calça de tons fortes, alegre e colorida, vermelha bordô, que também pode ser usada como macacão.

Estampa Calça Thai Vermelha. Foto: Calça Thai
A cada 2 a 3 meses rola um concurso de fotos nas redes sociais que premia um cliente com uma nova calça thai. Para tentar a sorte, fiz uma série de fotos e também um videoclipe :)

No Instagram







No Youtube


+ Fotos





Meu primeiro Antix

novembro 07, 2018 0 Comments

Já fazia um tempo que eu vinha namorando a Antix pelo Instagram, com seus posts fofinhos de pelúcias e pets, repletos de tons cor-de-rosa, que meu lado menininha adora. A delicadeza é tanta que não tinha certeza se funcionaria bem para mim, afinal, meu outro é basicamente um molequinho, rs. Também não tenho o padrão "modelo", alta e magra e branca, que é a imagem que a marca acaba vendendo. Mas, deixando a auto-crítica de lado, me identifico com outras conexões que o vestuário traz: literatura, cinema, viagens, vida de blogueira, enfim, me dei uma chance, resolvi experimentar algumas peças e apostei num modelo da nova coleção de verão 2019: Videolocadora.

Já estouramos a pipoca e nos aconchegamos no sofá. Agora só falta apertar o play para dar início a horas a fio de aventura, comédia, ficção e muito romance. Mais do que expectadoras, seremos protagonistas dessa história cheia de beleza e frescor, escrevendo juntas o roteiro de Videolocadora: o verão 2019 da Antix.

Em um contexto onde a moda feminina tendia a tornar-se commoditie e parecia que o mercado brasileiro já não conseguiria uma renovação, surgiu a Antix. Criada em meados de 2006 na cidade de São Paulo, a marca tem como propósito despertar sensações positivas por meio da conexão emocional e desejo que oferece com seus produtos. 
O design autêntico e cuidadosamente elaborado traz estampas exclusivas que contam histórias e tornam os produtos únicos e especiais. As coleções se inspiram em um ambiente cosmopolita de cidades como São Paulo, Londres, Tóquio, Nova Yorque e Paris. 
A Antix alia o romantismo ao vintage para proporcionar a atmosfera ideal à consumidora exigente, de alma jovem e feminina. A mulher Antix quer mais do que apenas “estar na moda”, ela busca uma experiência completa com a marca com a qual se relacionará e que esta experiência reflita exatamente seu estilo de vida.

Videolocadora é uma coleção nostálgica com muitas cores, elegância e romantismo, lançada no evento único produzido pela equipe, "Cinetix", que sorteou um número de clientes para assistir uma série de filmes e, claro, comer pipoca.

Ah, eu sou do tempo que alugávamos VHS aos finais de semana e reunia os amigos em casa para assistir filmes. Eu adorava passear entre os corredores das locadoras. Na cidade onde vivi a melhor parte da minha infância, Extrema-MG, até hoje ainda não tem um cinema, e, quando criança, o jeito era mesmo esperar sair para locação. Haja ansiedade! Já aqui em São Paulo, a locadora ficava no caminho da escola e, na frente, uma simpática senhora vendia churros. Eu comia quase todos os dias!


A peça que eu escolhi é um vestido midi "Depois da Meia Noite", com decote V transpassado, alças finas com regulagem, amarração e zíper invisível nas costas. Todo estampado, acompanha também um cinto.


terça-feira, outubro 30, 2018

Meu Planner 2019 by Vipapier

outubro 30, 2018 0 Comments
Meu planner 2019 chegou e para este ano eu escolhi um modelo da Vipapier, personalizado com o nome da minha marca - e ainda acompanha bloquinhos, planner financeiro e adesivos! Adorei tudo, desde a embalagem, e vou me segurar para deixar guardadinho aqui até dezembro!



Comprei meu primeiro planner no ano passado, em 2017, do grupo Negócio de Mulher, de Belo Horizonte - MG (confira aqui). Em resumo, o planner é mais que uma agenda, tem páginas especiais para organização pessoal e financeira. Além disso, eu adoro artigos de papelaria e personalizados, e um dos fatores que me levou a escolher a Vipapier foi essa delicadeza de colocar nosso nome/iniciais/marca em relevo na capa. Dá um toque todo especial! Outro ponto alto para mim foi os bloquinhos - porque eu adoro bloquinhos ^^


Há tempos eu estava namorando os modelos da Vipapier, me demorei para garantir o meu porque foi muito difícil escolher uma capa, hahaha. Com um design minimalista e sofisticado, tem desde opções florais, até pontilhadas e uma tradicional preta. A cor do espiral e elástico para fechamento também muda de modelo para modelo, bem como a estampa da parte interna das capas.

A Vipapier trabalha também com planners não datados e outros organizadores, como o de casamento, afora artigos de decoração.

segunda-feira, outubro 22, 2018

Shakira em São Paulo #EuFui o/

outubro 22, 2018 0 Comments
Na pré-adolescência eu ouvia muito música pop, Rihanna, Katy Perry, Lady Gaga e, entre elas, Shakira. Tinha meus CD's de hits do verão e DVD's de videoclipes e tal, mas adorava ouvir as músicas pela rádio, na época, a 89 FM, que pegava super bem em Extrema, Minas Gerais. Nunca imaginei que hoje, morando em Jundiaí, São Paulo, fosse ganhar ingressos para o show de uma diva pop pela rádio local, Dumont FM. Eu não: meu namorido, que acompanha a rádio com bem mais frequência que eu, especialmente pelos programas de comédia.

E tem fotinha clichê com os ingressos na mão, uheueueh
Então, na tarde de ontem, seguimos com mais dois amigos um show maravilhoso da turnê "El Dorado" de Shakira no Allianz Parque, em sua primeira parada no país após 7 anos sem pisar nos solos brasileiros. Mais que um show de música, foi um show com muita dança e efeitos digitais - mixagens, vídeos, iluminação que nos deixaram encantados. O público também contribuiu com as lanternas dos celulares acesas. Foi o primeiro show em estádio que tive o prazer de prestigiar! Sou acostumada em ficar em meio à multidão, desta vez ficamos acomodados em cadeiras, mas na hora do show todo mundo ficou em pé e deu para dançar numa boa.

O show contou com mais de 40 mil fãs presentes o/
Com ritmos diversificados, puxando para a eletrônica, reggae e mesmo com uma pegada mais rock, intervenções com violino e violão - até a bateria ela tocou! Afora a exibição de curtas e videoclipes, que adorei. Os melhores momentos, para mim, foram com as músicas mais dançantes, como "She Wolf", "Whenever, Wherever", “Can’t Remember To Forget You”, "Loba", "Rabiosa", "La La La" e "Waka Waka". E, sem dúvidas, poder ver ao vivo uma performance de dança do ventre me deixou muito emocionada.

Eu tinha uma amiga - do 1º ano das minhas aulas regulares de dança do ventre - que era muito fã da Shakira e, em meio aos nossos ensaios extras, assistíamos ao seu DVD de um show, e tentávamos dançar juntas, imitando os movimentos da tela. Hoje essa amiga não dança mais, inclusive eu herdei alguns figurinos que ela se desfez, mas sei, que assim como ela, muitas meninas iniciaram na dança do ventre sob influência da colombiana - cujos movimentos continuam magníficos. Puro carisma e sensualidade!

Agora, o que fica de lembrança são as mídias digitais, esse copo MARA e, principalmente, minhas memórias! <3

_________________________________________

#arteéresistência

Agora, com o jornalismo voltado para a política, está difícil ouvir rádio, acessar portais e mesmo redes sociais sem cair nas mesmas pautas e ver/ler/ouvir propagandas eleitorais. Está difícil até conversar com os amigos e familiares sem entrar numa discussão. Para ajudar, ainda estou cursando uma disciplina sobre na Unifaccamp. A sensação é de que, qualquer que seja o resultado, estaremos perdendo algo. O jeito é se permitir ouvir uma música, participar de um evento, escolher as suas companhias, suas conversas, suas leituras. Se envolver com arte, cultura, educação. Por que arte sempre foi e sempre será a resistência.

quarta-feira, outubro 17, 2018

Redes Sociais comanda as Eleições 2018

outubro 17, 2018 0 Comments

COM AS MÍDIAS DE JORNALISMO TRADICIONAIS EM COLAPSO, AS REDES SOCIAIS GANHAM FORÇA E DEFINEM AS ELEIÇÕES 2018 NO BRASIL

A batalha de Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência da República - chamado de “coiso” nas redes sociais - versus o Partido Trabalhista, representado então pelo candidato Fernando Haddad, tem rendido milhares de áudios, vídeos, memes e textos amplamente disseminados no WhatsApp, impulsionando a criação de hashtags, grupos, páginas, campanhas e movimentos em redes como o Facebook, Instagram, YouTube e Twitter. Com isso em mente, não é equívoco afirmar que as redes sociais comandaram as eleições 2018 no Brasil, e os 49,2 milhões de votos obtidos por Bolsonaro no primeiro turno é prova disso.

Pode-se afirmar que, mais uma vez, as mídias tradicionais deixam a desejar em seu papel de fazer jornalismo com qualidade, levando informação e educação à população com objetividade e imparcialidade, para que tenham autonomia de escolha e não se deixem levar por fake news amplamente disseminadas nas redes sociais, distanciando-os da verdadeira gravidade da situação social em que o país se encontra. Cabe então a civis e ativistas iniciarem seus protestos de forma autônoma.

A exemplo temos a página “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro”, com mais de quatro milhões de seguidoras no Facebook, criada por uma mulher negra, de origem periférica e anarquista. A iniciativa gerou um grande movimento com a hashtag #EleNão, levando às ruas do Brasil e do mundo, em 29 de setembro, centenas de milhares de pessoas para protestar contra o que a candidatura de Bolsonaro representa, alcançando o marco de maior manifestação organizada por mulheres da história do Brasil. Mas, enquanto as grandes manifestações pelo impeachment e contra o PT foram cobertas em detalhes pela Rede Globo, o movimento citado foi praticamente ignorado pela mesma. Nos jornais impressos não foi diferente, dado a preferência a outras manchetes na capa.

As críticas publicadas por Eliane Brum que o diga. Repórter desde 1988, Eliane cobriu a eleição presidencial em 1989, com o país ainda comovido após o longo período da ditadura militar a que sobreviveu. Na época, Edir Macedo já havia se tornado bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, e hoje assume também a direção do grupo Record. Em sua coluna no portal El País, a jornalista afirma que “em nenhum outro momento da história, Edir Macedo (...) fundiu tão completamente o projeto de poder, mídia e religião” tal como durante as eleições presidenciais de 2018, em que Macedo apoia Bolsonaro publicamente através de sua emissora de televisão bem como redes sociais da mesma. Eliane ainda sentencia que “a campanha eleitoral ficou reduzida a uma batalha de memes e a ameaças ‘bíblicas’ pelo WhatsApp”, com “líderes religiosos” desenhando o “apocalipse caso Bolsonaro fosse derrotado - ou caso o PT vencesse”, favorecendo a criação das chamadas ‘bolhas de conteúdo’.

Nesta segunda, o professor Paolo Demuru, titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Paulista e doutor em semiótica pela Universidade de Bologna, publicou no portal de jornalismo independente Nexo uma análise sobre as estratégias notadas nos discursos de apoio ao candidato do PSL em grupos de WhatsApp, afirmando que a propagação de boatos e notícias falsas foi o principal estratagema da campanha eleitoral de 2018 do candidato do PSL. A descontextualização de falas de adversários políticos, associando o governo do PT a inverdades como liberação de consumo de drogas, soltura de presidiários e “estímulo a homossexulidade infantil” através do material educativo chamado grossamente de “kit gay” são alguns dos conteúdos que circularam na mídia.

O maior problema é o motivo que leva as pessoas a acreditarem nesses conteúdos e compartilharem os mesmos antes de checarem os fatos. Ter uma opinião, falar, expor-se e ser visto tornou-se mais importante que lutar pela verdadeira democracia no país. Na realidade, quando a pessoa já tem uma opinião formada sobre um assunto ela só precisa de um conteúdo que o afirme, ainda que de fonte duvidosa. Os que tentam se manter imparcial, afirmam que votam nulo - mas, na luta contra o fascismo, o antipetismo perde força e, mais do que nunca, é preciso escolher um lado em favor de todos.

REFERÊNCIAS

BRUM, Eliane. Como Resistir em Tempos Brutos: um manual para enfrentar as próximas três semanas e transformar luto em verbo. Publicado em 09 de Outubro de 2018. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/08/opinion/1539019640_653931.html

DEMURU, Paolo. Como a pós-verdade segundo Bolsonaro é produzida nas redes: uma análise sobre quatro estratégias fundamentais notadas nos discursos de apoio ao candidato do PSL em grupos de Whatsapp. Publicado em 16 de Outubro de 2018. Disponível em https://www.nexojornal.com.br/ensaio/2018/Como-a-p%C3%B3s-verdade-segundo-Bolsonaro-%C3%A9-produzida-nas-redes