Follow Me @bymelissaart

domingo, setembro 29, 2019

Piercing no septo com desvio

setembro 29, 2019 0 Comments
Para quem é adepto de modificações e artes corporais como piercing e tattoo, o negócio é o seguinte: a gente pensa bastante para fazer a primeira vez, depois não queremos mais parar!

Anos atrás eu estava convicta que só teria um piercing no tragus e um no umbigo, até por conta das complicações que tive com inflamações, período de cicatrização, enfim, mas recentemente me peguei desejando um piercing no septo. Primeiro que enjoei dos outros furos, é como se os piercings já fizessem parte de mim; segundo que no meio da dança tribal é bem comum esse estilo de piercing e de tanto ver me deu vontade de ter um.

com meu piercing falso
Mas a ideia de passar pela dor, o receio de inflamar de novo e tudo mais me fez pensar bem. Por fim, o que me fez decidir foi conhecer o Garden Custom em Jundiaí e o trabalho da Camila Barbieri, que só fura com titânio e tem umas joias lindas, além do processo de anodização, que deixa a joia na cor que você quiser. Difícil resistir, né? Aí fui lá com toda a coragem fazer meu furo.
Todavia, tem um pequeno detalhe que eu não considerei quando pensei em furar o septo: se você tem desvio de septo, corre o risco do piercing ficar torto. E, adivinhe? Eu tenho um leve desvio (até concluí que deve ser por isso que tenho a voz um pouco nasal). Isso me deixou bem frustrada, de verdade, porque dá uma p*ta agonia ver o piercing torto.

antes do furo
Antes de decidir furar, resolvi experimentar um piercing falso para ver se iria me adaptar. O falso pelo menos fica no lugar, rs. Bem, mas eu já estava lá, a joia estava no processo de anodização e enfim, furei. Dentre as recomendações, não tocar no piercing, não dormir em cima dele, evitar comidas gordurosas... segundo dia e eu já tinha dado de cara com o travesseiro, meu nariz até sangrou; nada do inchaço reduzir e na maior agonia, girei o captive para a pedrinha ficar centralizada, kkk. "O lado bom é que se me incomodar muito, é só tirar, não é mesmo?' pensei. Então, aguardei, esperançosa.

enfim no lugar

Terceiro dia eu fiz as pazes com meu piercing, mas escorreguei na alimentação, não aguentei e tomei  uma taça de vinho. Depois, pronto, que perdição. Todavia, se a gente for cortar de vez tudo que o que é recomendado, não sobra muita coisa. O ideal é balancear a dieta, evitar os excessos, mas deixar de comer é um pouco difícil. Agora já faz uma semana que furei e estou só amores com meu piercing, o inchaço reduziu, não sinto mais dor e está bem mais tranquilo fazer a limpeza.

Eu tinha 14 anos e não tinha nem orelha furada, olha só. Hoje, dez anos e poucos mais depois, tenho dois furos em cada orelha, um piercing no tragus, um no umbigo e um no septo. Qual será o próximo? Já me peguei namorando um microdermal, tão fofo!

terça-feira, setembro 24, 2019

#HomeOffice / Meu Planner 2020 by Vipapier / Modelo Garden

setembro 24, 2019 0 Comments

2020 será mais um ano com planner! Aderi de fato ao uso de planners e estou adorando, todavia, ainda sinto falta por vezes de escrever diário - anotar sonhos e contar coisas do dia a dia. Com o uso do Instagram reduzi bem as postagens aqui no blog e também tenho me desafiado a gravar vídeos. Então essa postagem vai para atualizar sobre minhas comprinhas de papelaria e meu home office :)



Para 2020 eu escolhi continuar com a Vipapier. Apesar de adorar coisinhas fofinhas e ter acompanhado o lançamento de outras marcas, o estilo da Vipapier ainda é o meu favorito.

comprando no lançamento, o planner acompanha bloquinhos de anotações e cartela de adesivos
uma das coisas que eu amo é essa possibilidade de personalizar com o nosso nome <3
para 2020 tem 4 modelos diferentes, eu escolhi o Garden, com capa floral e animal print + fita, elástico e aro rosê
também tem wallpaper para celular e desktop combinando <3
Para ver o interior do planner, assiste o vídeo:


Meu Calendário de Mesa Meg & Meg

Também comprei um novo calendário de mesa! Neste ano de 2019 usei o calendário do viajante d'O Verbo Studio e adorei a experiência. Para 2020 escolhi um da Meg & Meg, uma marca super fofa <3


no verso de cada mês tem uma página para anotações <3

Meu Home Office

Se compararmos com as imagens anteriores, não tem muita diferença. O volume de caixinhas aumentou, bem como os livros (preciso desapegar de alguns!) e o mancebo de figurinos está uma vergonha (mas já tá nos planos comprar um daqueles móveis modulados de closet e cabideiro hehe). Também tenho desejado uma mesa maior desde que comprei essa cadeira diretor da Mobly <3

meu cantinho favorito <3

segunda-feira, setembro 02, 2019

Caminhos após a primeira graduação

setembro 02, 2019 0 Comments
colação de grau em 2017
Ingressei no curso de bacharelado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo em 2013 na atual Unifaccamp, com previsão de conclusão para este semestre. Interrompi o curso por um período e retomei com a ânsia de continuar estudando e fazer uma pós-graduação.

Acompanho o programa de mestrado de Linguagens, Mídia e Arte da PUC desde seu lançamento, em 2015. Tenho trabalhado num projeto de pesquisa interdisciplinar sobre dança, comunicação e mídia e por este motivo me identifiquei muito com a Limiar.

Todavia, não me sinto preparada o suficiente para um mestrado, então penso em tentar uma segunda graduação/licenciatura numa universidade pública, em especial na área da dança — minha primeira opção seria a Unicamp. Acredito que toda a vivência acadêmica e no corpo irá me habilitar a falar com mais autoridade no assunto no desenvolvimento do meu projeto de mestrado.

Mas, tenho mais algumas ressalvas. Em minhas buscas por artigos, matérias, vlogs e blogs me deparo com muito do mesmo: como passar na prova, exame, entrevistas, como estudar. Não tenho problemas com leitura, escrita, pesquisa. Meu problema é: como arcar com as despesas se tenho que me dedicar em regime integral? E não me diga que há a opção de trabalhar e estudar, porque não dá, não morando em Jundiaí e estudando em Campinas... posso manter parte dos meus freelas, mas não é o suficiente.

Já considerei estudar e trabalhar em São Paulo-capital, mas hoje não mais. Não é uma opção.

E ninguém cita uma segunda graduação como um caminho possível, parece não ser recomendável, a não ser que você queira mudar de área. E o pior é que eu sou a primeira acadêmica da minha família, e meu marido não vê a menor vantagem em gastar tempo e dinheiro numa pós ou numa licenciatura na área de artes.

Estou sozinha nessa...

Avaliando os cenários possíveis, qual o pior que poderia acontecer? As respostas são muitas. Mas ao invés de pensar o lado negativo, quero parar de sofrer por antecipação e fazer um passo de cada vez. Tal como me comprometi a terminar a graduação.

Por mais que delineamos um plano de estudos, é natural que ele se molde às nossas necessidades e com o passar do tempo podemos pular etapas ou, no meu caso, acrescentar. Não há nada de errado nisso. Não estudo pelo título, ou visando uma posição melhor no mercado de trabalho, eu adoro ser autônoma. Estudo pela realização pessoal.

Adoro ler currículos e pensar todos os caminhos que cada um trilhou para chegar onde está. Gostar de estudar é pensar longe e cada pessoa é única. Não existe aluno bom e aluno ruim, existe formas diferentes de aprendizagem assim como cada professor tem a sua metodologia.

Melissa Souza, 25, jornalista por formação, pesquisadora na área da dança e comunicação, futura professora com licenciatura e mestrado: é assim que me vejo :)